6 dicas para administrar bem o fundo de reserva do condomínio

6 dicas para administrar bem o fundo de reserva do condomínio

Previsto na lei Nº 4.591, o fundo de reserva do condomínio é um dos pilares fundamentais para a saúde financeira de uma co-propriedade.

Apesar de tão essencial, muitas vezes seus recursos não são bem utilizados e podem ser gastos em itens vistos como não necessários, causando problemas com os moradores e dores de cabeça no futuro.

Por isso, para administrar bem o fundo de reserva do condomínio é preciso ficar atento a alguns itens. Para te ajudar a identificar quais são, preparamos este conteúdo completo com 6 dicas para salvar seu fundo de reserva.

Continue a leitura e descubra todos os truques!

O que é o fundo de reserva e como funciona a arrecadação?

Ele é composto pelas contribuições mensais dos condôminos, que são usadas para enfrentar despesas emergenciais, realizar obras necessárias e assegurar a manutenção adequada das áreas comuns.

Desse modo, o fundo de reserva do condomínio é um estoque financeiro destinado a garantir estabilidade e segurança ao condomínio.

Como funciona a arrecadação do fundo de reserva?

A arrecadação para o fundo de reserva do condomínio acontece normalmente todos os meses, e geralmente está inclusa na taxa condominial.

Logo, determina-se o valor da contribuição para o fundo de reserva em uma porcentagem fixa do valor da taxa condominial. O síndico ou a administradora gerenciam esses recursos, que devem assegurar sua correta utilização para fins específicos, garantindo a proteção do patrimônio coletivo e a tranquilidade dos moradores.

Quem paga pelo fundo de reserva?

Os proprietários dos imóveis são responsáveis por custear o fundo de reserva do condomínio. Portanto, cabe aos donos arcarem com a contribuição para o fundo de reserva, uma vez que essa reserva financeira serve para garantir a estabilidade e segurança financeira do condomínio.

Os locatários devem pagar o fundo de reserva do condomínio?

No caso de imóveis alugados, é comum que o proprietário repasse o valor do fundo de reserva para o locatário. No entanto, a responsabilidade pelo pagamento continua sendo do proprietário, e não do locatário.

Isso ocorre porque o fundo de reserva é uma obrigação relacionada à propriedade do imóvel e não ao uso temporário por parte do locatário.

O Condomínio pode restituir o fundo de reserva?

Em algumas situações específicas, o condomínio pode restituir o fundo de reserva. Por exemplo, se houver um saldo remanescente após o uso adequado dos recursos, é possível devolver o valor excedente aos condôminos.

No entanto, a restituição do fundo de reserva não é uma prática comum e depende da decisão da assembleia condominial. Geralmente, mantém-se o fundo de reserva como uma garantia financeira contínua para enfrentar futuras necessidades emergenciais.

Como administrar o fundo de reserva do seu condomínio?

1- Defina uma política de utilização do fundo de reserva

Estabeleça uma política clara para a utilização do fundo de reserva, identificando as situações emergenciais em que ele pode ser acionado. Ademais, defina limites de gastos e critérios para autorização de uso.

2- Planeje investimentos de longo prazo

Considere a possibilidade de utilizar o fundo de reserva para investimentos de longo prazo, como obras de melhorias ou projetos de sustentabilidade.

3- Realize auditorias financeiras periódicas

Regularmente, faça auditorias financeiras para verificar a utilização correta dos recursos do fundo de reserva e garantir a transparência na gestão. 

Além disso, é possível a implementação de um Compliance condominial, que contribui para essa organização, por exemplo. 

4- Evite utilizações não emergenciais

Tente utilizar o fundo de reserva do condomínio somente para situações emergenciais e planeje com antecedência outras despesas do condomínio, de forma a não comprometer a reserva financeira.

5- Crie uma reserva para emergências extraordinárias

Além do fundo de reserva do condomínio, considere a criação de uma reserva extra para emergências de grande impacto, como eventos naturais ou crises econômicas. 

Essa reserva deve ser utilizada somente em circunstâncias extraordinárias e devidamente autorizada em assembleia.

Entretanto, um bom seguro condominial, com cobertura completa, também pode atuar nessa frente.

6- Incentive a cultura de prevenção e economia

Promova a cultura de prevenção no condomínio, incentivando a economia de recursos e o uso consciente das áreas comuns. 

Com essas práticas, é possível reduzir despesas e fortalecer ainda mais o fundo de reserva para enfrentar situações inesperadas.

Conclusão

Gerir eficientemente o fundo de reserva é um pilar essencial para a estabilidade financeira do condomínio.

Assim, com uma política bem definida para sua utilização, investimentos de longo prazo e práticas de transparência, o fundo de reserva se torna um aliado para enfrentar desafios e emergências. Se você quer aprofundar ainda mais seus conhecimentos em gestão financeira condominial, não deixe de conferir nosso próximo conteúdo: Como montar um fluxo de caixa eficiente.

Que tal receber dicas e novidades?

Assine nossa newsletter para receber conteúdos relevantes do mercado.

A sua instituição de pagamentos

Onde estamos

Matriz: São Paulo
Rua Paes Leme, 215, 14ºandar, Pinheiros, São Paulo/SP
CEP 05424-150 – (11) 3090-3227
Filial: Belo Horizonte
Rua Santa Catarina, 1631, 12ºandar,
Lourdes, Belo Horizonte/MG
CEP 30170-081 – (31) 4040-4167

A sua instituição de pagamentos

×