Conheça o nosso blog

Fique por dentro das novidades e aprenda conosco.

Reduza a inadimplência condominial com o Partner 

inadimplência condominial

A inadimplência condominial é um problema para os seus clientes? Infelizmente, essa é uma triste realidade nos condomínios brasileiros, principalmente após o início da pandemia do Covid19.  

A pandemia impulsionou o desemprego no país e, consequentemente, a economia ficou prejudicada, fator que contribuiu fortemente para a falta de pagamento nos condomínios. Entretanto, a partir de 2022 a taxa de inadimplentes começou a cair, aponta uma pesquisa realizada pelo Data Lello – Instituto de Pesquisas e Inovação da Lello Condomínios. 

Além disso, o estudo concluiu que o percentual médio entre o primeiro semestre de 2020 com o mesmo período de 2022, houve uma diminuição de 0,97%.  

 Com o objetivo de ajudar você a reduzir a inadimplência dos seus clientes, preparamos um artigo com algumas dicas e estratégias para lidar com o problema. Continue a leitura e aproveite! 

O que diz a legislação? 

O Código Civil prevê uma série de penalidades quando um condômino se torna inadimplente. O condômino que não paga sua contribuição está sujeito a: 

  • honorários advocatícios; 
  • juros de mora (1% ao mês); 
  • multa de 2% em cima da dívida. 

Além disso, no artigo 1.348, por sua vez, está descrito que o síndico tem a obrigação de fazer a cobrança dos moradores inadimplentes. Caso contrário, será responsabilizado por falta de cumprimento do dever.  

O novo Código de Processo Civil (Lei n. 13.105/2015) estabelece regras mais rígidas. Ou seja, caso o inadimplente insista em não assumir seu débito, ele poderá ser cobrado por meio de uma ação chamada “execução”. Essa ação permitirá maior rapidez no procedimento e recebimento. 

Além disso, o Código de Processo Civil dá somente três dias (72 horas) para o pagamento da dívida em questão. Em caso de descumprimento, poderá ter o nome negativado e a conta bancária bloqueada.  Pode, inclusive, ter o risco de seu imóvel ser penhorado (mesmo que seja o único bem da família). Após o leilão do imóvel, o valor do bem é direcionado para o pagamento da dívida. 

Quais as consequências da alta taxa de inadimplência condominial? 

Não podemos negar que quanto maior a inadimplência, mais comprometido fica o orçamento do condomínio, certo?! Infelizmente, a falta de pagamento do condomínio pode trazer consequências graves tanto para o devedor quanto para o condomínio em si, que sofre com a restrição orçamentária.   

Quando alguém deixar de pagar a taxa, é preciso compensar essa falta de alguma maneira. É nesse momento que a sua administradora, juntamente com o síndico devem atuar para elaborar estratégias e ações para não fecharem o mês no vermelho. 

Além disso, novos problemas surgem para o condomínio. Afinal, o síndico precisa cobrar o condomínio em atraso. Ou seja, possivelmente, precisará gerenciar uma crise que, muitas vezes, não tem prazo para terminar. Isso  gera desgastes e conflitos internos.   

Confira quais são as principais consequências da inadimplência para o condomínio: 

  • Déficit orçamentário. 
  • Aumento da taxa condominial, sobrecarregando quem paga em dia. 
  • Conflitos e desgastes internos na hora da cobrança. 
  • Possível cobrança judicial, gerando gastos com advogados e custas judiciais. 

Inclusive, durante o período de inadimplência, o condômino não poderá votar em assembleias nem se candidatar a síndico. 

Manter um cliente fidelizado é uma tarefa constante. E a fidelização acontece no dia a dia, em cada atendimento. A saúde financeira do condomínio é uma das principais preocupações dos síndicos e condôminos e quando a sua administradora atua em parceria para ajudar a mantê-la saudável, além benefício financeiro, você fideliza o seu cliente.   

Conte com as condições especiais em acordos PartnerBank 

Você sabia que o PartnerBank possui as melhores condições de acordo de inadimplência do mercado? É isso mesmo!  

Ser do time Partner significa simplificar o controle de inadimplência dos seus clientes, uma vez que, parcelamos os acordos em até 12x no cartão de crédito. Além disso, possuímos o recebimento à vista em D+1.  

O D+1 faz com que as transferências de valores sejam feitas no dia útil seguinte ao pagamento dos condôminos. Esse fluxo de caixa é importante para que o síndico possa exercer a sua gestão com poder ne negociação com fornecedores e para quitar débitos em dia. Em modelos de cobrança recorrente, como no caso dos condomínios, eliminar as burocracias das transações bancárias no dia a dia é fundamental para a saúde financeira.   

Sobre nós 

Somos parte da Holding Group Software. Uma empresa com mais de 25 de anos experiência no mercado condominial. Além disso, Solução na nuvem e 100% integrada ao Condomínio21 e ao Group Condomínios, centralizando e facilitando a gestão da administradora. 

Somos uma Instituição de pagamentos totalmente segura e auditada, embasada na CIRCULAR Nº 3682/2013 ART 2º. E Atendimento às maiores administradoras do país e mais de 2 bilhões em transações nos últimos 5 anos. 

Venha você também para esse time de sucesso. Converse com um de nossos consultores!  

Compartilhe:
Veja também:

Quórum em condomínio: guia completo

Ao lidar com situações prediais como obras, alterações de regimento interno, ou até mesmo questões

6 tecnologias que transformam a administração de condomínios

A gestão de condomínios está vivenciando uma revolução, impulsionada por avanços tecnológicos, e a administração

Webinars: ferramentas poderosas para a educação financeira em condomínios

Os condomínios estão cada vez mais tecnológicos e modernos, e com isso, surgem novos gastos

Quais são as normas de segurança para obras em condomínios?

Quando o assunto é a realização de obras em condomínios, a segurança e o bem-estar

Cobertura garagem: como executar? 

A escolha por uma cobertura de garagem em condomínios não é apenas uma questão de

PPCI para condomínios: guia definitivo

A gestão condominial bem-feita é a base para garantir um ambiente seguro e regulamentado para

×